Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sam ao Luar

Sam ao Luar

01
Jul21

Fui vacinada e sobrevivi.

Sam ao Luar

Ontem fui eu a feliz contemplada com a sorte grande: fui vacinada. Nunca uma geração se sentiu tão feliz com uma picada! 

Foi uma sucessão estranha de sentimentos. Primeiramente, senti-me triste. Como é possível que um "ser", que nem sequer é considerado ser vivo e que não se enquadra em nenhuma das classificações existentes de Whittaker (#teamscience) tenha feito tamanho estrago?

Os virús são tão somente cápsulas proteicas com um ácido nucleico dentro (DNA ou RNA), cuja única função é apropriar-se indevidamente da capacidade replicativa das células que infeta e, indevidamente, sem permissão, pô-las a copiar e a produzir mais vírus bebés. Bolas! Se Darwin fosse vivo, daria voltas toda a noite na cama. Então o objetivo primordial da vida não era a reprodução para dar continuidade às espécies?

Depois senti-me um pouco que indignada. Em fila, ordeiramente e em silêncio, pareciamos todos gado em direção à matança, em direção ao corredor da morte. Foi muito estranho este sentimento e comecei a pensar em todas as teorias da conspiração. E se fosse mesmo isso? E se os estados tivessem feito um complô para instalar em nós circuitos nanotecnológicos de rastreamento? Ou então, quando os recursos da mãe natureza já não forem suficientes, matam metade da população à custa desta cápsula microscópica de veneno que nos injectaram, com o objectivo de salvar o planeta Terra.

No entanto, via-se em todos os rostos a expectativa de um futuro um bocadinho melhor. 

Quero dar os parabéns a todos os profissionais, independentemente da sua área, que lá estavam. O tempo de espera foi pouco, tudo correu ordeiramente, planeado ao pormenor. De repente, todo o português aprendeu a respeitar o espaço do próximo (se esta situação toda serviu para alguma coisa, foi para a população mundial aprender a circular aem filinha indiana!). A enfermeira que me comtemplou com o prémio confidenciou-me que marcavam, só naquele centro de vacinação, 4 utentes ao minuto! E que, ao minuto, se vacinavam muitos mais. Respeito!

Daqui a uns anitos diremos aos nossos netos "eu sou do tempo em que apareceu o Covid". E com orgulho diremos que passamos quarentenas, isolamentos, dificuldades a todos os níveis, e sobrevivemos. 

Não quero atirar areia para os olhos de ninguém, mas continuo a ter a esperança de que vamos ficar todos (mais ou menos) bem. 

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub