Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sam ao Luar

Sam ao Luar

10
Jul21

Vamos ser amigos outra vez?

Sam ao Luar

Hoje passei por uma situação que me deixou de coração partidinho. 

Premissa n.º 1: há regras de frequência das praias em tempos Covid; manter a distância entre guarda-sóis e essas tretas.

Premissa n.º 2: crianças querem briancar com outra crianças; filhos únicos querem brincar com os filhos dos outros.

Posto isto, estava eu sentada na areia, na linha de água, com o meu pequeno a brincar junto às rochas, a atirar pedrinhas ao mar. 10 metros mais a sul, está outro pequeno, sozinho, a fazer exatamente o mesmo. O meu pequeno pergunta se pode ir brincar com ele, respondo que pode, mas que sabe que não pode ir muito para a beira dele, a mãe dele pode não achar bem (relembro, que em tempos covid temos que ter estes cuidados, para não ferir susceptibilidades).

Às tantas, pergunta-me envergonhado: "mas, ò mãe, o que é que digo?" Meu Deus, pensei, como é que uma criança, em idade escolar, tem esta dificuldade em socializar? Tive tanta pena! Suponho que o problema não seja do meu filho único, mas de todos os filhos que foram privados de contacto social, vai já fazer 2 anos disto, e perderam a noção de como se faz amigos. Como pode uma criança estar já preocupada com estas coisas, supostamente, tão simples e inocentes?

Respondi: "então, perguntas-lhe o nome e se podes brincar com ele!" E foi o que fez, salvaguardando a distância. Chamava-se Diogo e durante uns breves minutos estiveram os 2 a procurar pedrinhas na areia e atirar ao mar. Às tantas, aproxima-se uma senhora, suponho pela idade que seria a avó e disse, não de modo arrogante ou pedante, mas de modo a que eu ouvisse "já te disse que tens que brincar sozinho!"

Como é?

Como é possível que se possa pedir a uma criança para que brinque sozinho? Para que não tenha contacto com outras crianças? Como é que o medo pode estar já tão enraizado em nós que nos obrigue a pedir a uma criança para que isole, não interaja com outras crianças, que seja sozinha? 

Acredito que as nossas crianças Covid tenham dificuldades a todos os níveis, no futuro. De aprendizagem, de socialização, independência, até de imaginação. Sinto-me infinitamente triste por termos todos que passar por estas situações, cuja culpa não é de ninguém, mas é de todos.

No entanto, uma réstia de esperança cresceu em mim, no momento em que o Diogo e a família passaram por nós, à ida embora. 

- Xau Diogo - diz o meu.

- Xau!!!

- Vês? Fizeste um amigo, pode ser que amanhã venha outra vez - disse a avô.

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Sam ao Luar 16.07.2021

    Obrigada pela mensagem de esperança!
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Sigam-me

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub